Das cinzas: Sindicato renasce e quer extrair base docente do SINPROESSEMA em Primeira Cruz

A cidade de Primeira Cruz possui suas peculiaridades, mas não é muito diferente de outros municípios quando a questão é a sociedade civil organizada. Associações, sindicatos e organizações não governamentais disputam espaço e poder no campo social, já dizia Pierre Bourdieu. Mas deixando de lado a escrita e o breve conhecimento acadêmico, venho apresentar algumas questões que me deixaram inquieto nas últimas semanas.

O ressurgimento do SIINDIPROP/SINDSEPROP (Sindicato dos Professores do Ensino Público do Município de Primeira Cruz No Estado do Maranhão) soou fortemente como o badalo da Igreja de Nossa Senhora da Conceição, prometendo uma reestruturação sindical e uma luta em defesa de trabalhadores locais, entretanto, entre farpas, o único Sindicato que possui a tão sonhada Carta Sindical na cidade, tem rebatido as diversas críticas promovidas pelo SIINDIPROP e que avassalam o campo social local.

Os acontecimentos

A situação ocorreu durante uma sessão na Câmara Municipal da cidade em 4 de outubro de 2021. Entre notas de repúdio e de esclarecimentos, o Sindicato Sinproessema e a organização sindical SIINDPROP trocaram farpas nessa busca de reconhecimento e legitimidade. Enquanto o SIINDPROP possui 9 anos de (in) existência, o Sinproessema possui uma legitimidade jurídica que o mantém dono da situação: a propriedade da Carta Sindical emitida pelo Ministério do Trabalho.

A Carta Sindical é tão importante para um Sindicato quanto sua legitimidade, contudo, a emaranhada legislação jurídico-sindical, permite atropelos na cobertura de filiações de profissionais de diversas categorias de trabalho. Permite, inclusive, que categorias profissionais possam ser enquadradas em mais de um sindicato. Enquanto o Sinproessema busca manter seu poderio, outras organizações sindicais abocanham categoriais profissionais do setor da educação, o que é importante para a sobrevivência: quanto mais filiados, mais recursos.


Uma outra via

Recentemente um grupo de profissionais da educação fundaram o SINSERP, Sindicato Intermunicipal que abrange profissionais do serviço público municipal de Primeira Cruz e Humberto de Campos. Novo e com tanta legitimidade quantos os outros, ainda não possui Carta Sindical, o que não impede sua atuação, mas distante da disputa de poder entre SINPROESSEMA e SIINDPROP, o SINSERP lança mão de outras categorias profissionais para além da Educação. O Sinproessema de Humberto de Campos participou, inclusive, da fundação do SINSERP. Como um ato de parceria e amizade sindical.


O fato é que o Sinproessema já não urge como uma só opção para os profissionais locais. Sindicatos como o SIINDPROP, por exemplo, pretendem, em suas razões sociais inscritas sob seu CNPJ, cobrir uma categoria extremamente importante que é a da Educação, contudo, é uma luta desigual. Há quem diga: se não pode com o inimigo, junte-se a ele. O problema, para o SIINDPROP, é que sua sobrevivência depende da filiação da principal categoria profissional do Sinproessema: os professores.